Blog

23 de novembro de 2017

Watson, meu caro, quantas mudanças

Por Maurício Almeida, via AD News

watson

No último ano passamos a ler e ouvir muito sobre o avanço galopante do Machine Learning e da Inteligência Artificial.

30 de outubro de 2017

Pesquisa global mostra que jornalistas não estão acompanhando revolução digital, mas traz sinais positivos sobre América Latina

Por Teresa Mioli via Journalism in the Americas

Ao redor do mundo, jornalistas não estão acompanhando a revolução digital. Esta é uma das conclusões de uma pesquisa recente do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, na sigla em inglês), “O Estado da Tecnologia em Redações Globais”.

19 de outubro de 2017

Toda marca tem vocação para tomar partido em questões sociais?

Por Renato Rogenski via AD News

homo

Se você ainda é taxativo ao achar ou afirmar deliberadamente que é mero modismo as marcas se posicionarem a respeito de importantes causas de interesse sociais, talvez você precise analisar com atenção a mais nova pesquisa Earned Brand 2017, realizada pela Edelman e divulgada nesta semana. Os números são impactantes. No total, 62% dos brasileiros (57% globalmente) consomem ou boicotam marcas com base em como elas se posicionam em relação a uma questão relevante para eles.

5 de outubro de 2017

A cabeça de um redator

asaPor Aline Barreto, via ADNews

Produzir conteúdo é uma arte que envolve muitos fatores, mas a principal delas é estar atento. É ficar de olhos bem abertos e ser influenciado pelo mundo a sua volta. Afinal, a influência é sempre algo que vem do exterior para o interior. Pode ser uma música, jogar videogame, conversar com outras pessoas, assistir a vídeos no Youtube, ouvir podcasts e etc. O importante é consumir outros conteúdos.

20 de setembro de 2017

Infográfico mostra as lições da Apple na construção de uma marca relevante

Por AdNews

1346499740-apple

A Apple é uma das marcas amadas de todo o mundo e comanda uma legião de consumidores leais. Seja qual for o segmento, dificilmente alguma empresa consegue alcançar o status cultural conquistado pela marca da maça ao longo de sua história. O grande trunfo na comunicação da companhia é apostar na experiência para o usuário e não necessariamente nas especificações técnicas do produto ou a tecnologia absurdamente avançada. Mas, o que empresários, designers e profissionais de marketing podem aprender com a Apple? O site entrepreneur.com criou um infográfico com algumas lições. Confira:

28 de agosto de 2017

Como conquistar um minuto de atenção no dia a dia das pessoas?

Por Artigo de Henrique Barreto, da Edelman Significa, via AdNews

atençãoVivemos em um mundo digital, repleto de plataformas e canais, onde a informação flui incessantemente, quase sem interrupções. Nesse contexto, empresas e marcas direcionam seus planos de comunicação e emitem suas mensagens em um meio superpovoado, onde múltiplas ideias competem por espaço e pela atenção dos seus públicos e consumidores.

Diante disso, fica a pergunta: como conquistar um minuto de atenção no dia a dia das pessoas, onde tanto se diz, mas talvez nem tanto se ouça?

Um investimento consistente em mídia pode garantir que uma mensagem seja posta diante de um consumidor. Mas isso basta? Ou é preciso mais para garantir que um conteúdo mereça atenção e conquiste um lugar de destaque na infinidade de informações recebidas por uma pessoa ao longo de um dia?

A resposta passa pela relevância, por ter – realmente – algo para dizer. Produtos e serviços são importantes, são as bases que orientam as ações e o funcionamento de uma empresa. Porém, hoje em dia, cada vez mais, as marcas que conquistam esse espaço de atenção sobre o qual estamos falando são aquelas que se deslocam de seus eixos de atuação em busca de territórios e causas, que aprofundem seu significado e relacionamento com públicos relevantes. Diante de um ritmo crescente de inovação, a saída para marcas perenes é brigar no território do significado, propósito e representação – justamente porque seus portfólios de produtos e serviços está fadado à volatilidade e impermanência.

É um bom primeiro passo transcender produtos e serviços, buscando algo mais a compartilhar com as pessoas. Pode ser a música, a educação, a reciclagem – tudo, desde que parta de um compromisso numa agenda mais ampla, que interesse à empresa e à sociedade.

O segundo passo é a ação, porque é ela que dá relevância e verdade a uma mensagem. A marca precisa agir antes de falar. A ação – o símbolo de um compromisso para além da agenda comercial – enche uma mensagem de profundidade e relevância, fazendo com que um conteúdo mereça sua atenção.

Encontrar um território relevante, algo importante a ser compartilhado com a sociedade, para além de produtos e serviços: ideias e significados, comprovados por ações, projetos, impactos e resultados. Isso é Atitude de Marca.

Com isso, mais do que chegar aos canais, aos intervalos comerciais, chega-se às pessoas.

E não como consumidores, mas como pares e, sobretudo, como cidadãos.

Artigo de Henrique Barreto é líder de contas de Atitude de Marca na Edelman Significa